sábado, 25 de julho de 2009

INTIMIDADE









Nada se modera nem se suaviza na memória, que imagina e adorna cada momento. Nada se despoja, salvo a indiferença. Antes dizia: não me esqueças; agora: esquece-me por favor. No esquecimento está a minha esperança, na recordação a minha tortura; mas o mais terrível de tudo é que prefiro a recordação ao esquecimento, e a tortura à esperança.

Silvina Ocampo

5 comentários:

Paulo disse...

Também eu!

Mr.D disse...

nicee

Íris disse...

Há uns tempos que venho a seguir este blog! É fantástico!

Nunca tinha comentado por falta de tempo!

Beijos!

XP - rapaz virgem disse...

Quem é esta beldade? ;)

Beijo!

Optimus Eros disse...

....minha boca enche de água somente de imaginar...uma lambidela...rsrs